terça-feira, março 30, 2010

Pequenas (grandes) obsessões.

Eu fico muito facilmente obcecada por coisas. E digo coisas porque pode ser de tudo um pouco, desde uma verniz, a uma carteira, um livro, um Cd, uma pessoa, um vestido, uma actor, uma música, lá está, um pouco de tudo, que como já disse anteriormente, não sou esquisita. Em nada.

E quando gosto de alguma coisa, gosto MUITO. Posso passar horas a pensar nessa minha coisa, sem me cansar. Sou fiel durante dias, meses até. Falo muito acerca da coisa, aliás, se calhar acabo por falar  disso, e de cansar os outros com a minha coisa, mas eu não me importo porque estou tão, mas tão apaixonada por essa coisa, que fico basicamente cega e surda. Muda é que já não, porque eu falo pra caraças, o chamado: falar pelos cotovelos.

E depois, há aquele dia, em que acordo, e já não penso na minha querida coisa. Já não estou obcecada. Já não quero saber da coisa que um dia tão feliz me fez. E arrumo a coisa lá num cantinho, na minha mente, ou no meu subconsciente, ou lá o que é, e lembro-me dela de vez em quando, sempre com muito carinho. Assim como me lembro de um ex-namorado, do qual gostei muito e fui feliz, mas acabou. E quando me lembro sorrio, e se isto acontece no meio da rua toda a gente á minha volta pensa que eu sou maluca, mas eu também não me importo, porque me lembro da minha coisa, e de como ela me fez feliz, do quão fiéis fomos e do quanto nos adoramos, durante os dias em que estivemos juntos.

E depois a vida continuou.

Ás vezes ainda tento voltar a amar a coisa como da primeira vez: mas já não funciona. Não dá. Mas a coisa não se zanga porque sabe que, para mim, vai ser sempre muito especial, e que foi muito amada.

E passado umas semanas surge outra coisa. E somos MUITO felizes, eu e a nova coisa, outra vez.
E é sempre assim, a minha vida, tipo bola de neve.

E tudo isto porquê?

Porque neste momento a minha coisa é um filme. Já não sei quantas vezes vi o trailer, nem me perguntem, por favor. Estou tão apaixonada, que levo a minha coisinha para todo o lado, em pensamento.

Partilho então convosco a minha coisa favorito do mundo. Por hoje, que amanhã veremos.



Nada é permanente, nem mesmo a morte.
[e muito menos as coisas da Littlemisstaken]


Espero que gostem.

Love,
Littlemisstaken.

4 comentários:

Di disse...

Tenho que ver esse filme! Foi o que o Heath Ledger estava a fazer quando morreu... Por isso é que o Johnny Deep e o Colin Firth fizeram algumas das cenas que ele não terminou - pelo menos foi isso que eu li algures.
Deve estar espectacular!

Percebo isso das "obcessões", das paixões temporárias! Eu também sou assim e adoro!

Beijinhos*

Littlemisstaken disse...

Olá Di,

O Johnny Deep, o Colin Farrell e o Jude Law. Os três deram seguimento ao papel que o Ledger, infelizmente, deixou a meio. E não cobraram nada por isso.

Está quase, quase a estrear.

Beijinho,
Littlemisstaken.

Scarlet_Perry disse...

Olha...emmmmmm, estreou a semana passada!!!!
Queres combinar ir na 2a?
Beijocas***

Littlemisstaken disse...

Oh, pois estreou. Eu até vi no Parque Nascente, outro dia, mas ontem devia tar feita parva, ehehe.

Temos que combinar, mesmo que não seja cinema, qualquer coisinha. :-)

Beijinho.