segunda-feira, setembro 20, 2010

My heart is the worst kind of weapon #13

Ontem, vi o meu primeiro amor.

O primeiro que esmagou o meu coração adolescente. O primeiro que me tirou o chão. Aquele que me fez questionar se ainda teria mais lágrimas e perceber que sim, sempre mais. O primeiro por quem morri de amor.

Jantamos quase frente a frente.

Pensei muitas vezes como seria se algum dia o voltasse a ver. Imaginei esse dia vezes sem conta. Passaram-se mais de doze anos, e a verdade é que ao contrário daquilo que sempre pensei, não foi nada constrangedor. Ontem vi que aquela pessoa está mais que arrumada na minha cabeça. Perceber que ele o meu marido trabalham na mesma empresa, ver o abraço que deram assim que chegamos ao restaurante, não havia volta a dar, tive que me rir.

O Porto não é pequeno, é uma caixinha de fósforos.

E ontem, Sábado, ficou tudo muito mais claro para mim: a vida levou-me ao lugar certo.
Aqui é onde eu pertenço. Aqui é onde tudo (finalmente) encaixa.

Love,
Littlemisstaken.

1 comentário:

Iúri Zúluri Revel Regueiro disse...

é como as pessas de lego...as suas cores e feitios encaixam como tudo...heheh adorei a tua escrita...visita me